terça-feira, 21 de abril de 2015

Mais uma medida para encher os bolos do patronato!

Aqueles que mais pedem,
menos estado,são os primeiros a mamar na teta estatal!

Mais um dos programas da tanga da autoria deste governo para o patronato sacar mais uns milhões,transferidos dos nossos bolsos,para as contas nos Offshore

Resultado de imagem para PARAISOS fiscais nos offshorResultado de imagem para PARAISOS fiscais nos offshorResultado de imagem para PARAISOS fiscais nos offshorResultado de imagem para PARAISOS fiscais nos offshor


cabecav1

REATIVAR: mais uma medida para dar dinheiro ao patronato!

20 Abril 2015
media jovens
A entrada em vigor da medida Reativar, uma suposta medida de estágios para desempregados com mais de 30 anos, é mais uma peça do embaratecimento do trabalho, da desregulação do emprego e da exploração dos desempregados que este governo pôs em prática desde que iniciou funções.

Na realidade trata-se de uma falsa medida de estágios, pois o que se pretende é financiar as entidades patronais a usarem o trabalho dos desempregados para ocupar, em muitos casos, postos de trabalho permanentes durante seis meses a troco de bolsas de baixo valor, entre 419 euros e um máximo 691 euros para licenciados.
Também não vai potenciar a elevação das qualificações dos trabalhadores, uma vez que admite que um desempregado sem qualquer nível de qualificação possa ser inserido num destes estágios.

Esta é mais uma "aspirina" que não só não resolve a grave doença do desemprego, como dá cobertura à manipulação das estatísticas. Mais uma vez os dinheiros públicos são usados para subsidiar empresas e entidades entre 65% e 95% do valor das bolsas dos estagiários, bem como no subsídio de alimentação, seguro de acidentes de trabalho e subsídio de transporte. Ao todo, serão 43 milhões de euros entregues às empresas, sem qualquer obrigatoriedade de contratar posteriormente os estagiários para o quadro de efectivos, nem regras que impeçam a ocupação de postos de trabalho ou a rotatividade de estagiários.
Daqui resulta que o Governo, tão sovina a recusar atribuir o subsídio social de desemprego aos desempregados sem qualquer protecção social, continua a ser um "mãos largas" para meter dinheiro público nos bolsos dos patrões.
Por outro lado, a inoperância do IEFP e a ineficácia da Autoridade para as Condições de Trabalho torna-os cúmplices dos abusos verificados nestes programas, particularmente nas situações de substituição de postos de trabalho por estagiários ou mesmo de trabalho gratuito enquanto se aguarda pela aprovação do estágio. Esta é uma situação a que urge pôr termo de imediato.
Neste quadro, por mais que o Governo se esforce, não consegue esconder que a sua política provocou a destruição de mais de 240 mil postos de trabalho entre 2011 e 2014 e que a taxa de desemprego está a aumentar, tendo atingido os 14,1% no passado mês de Fevereiro.
A vida já demonstrou que não é com estas medidas que se atenua ou resolve o problema do desemprego. Portugal precisa de uma outra política que priorize a criação de emprego seguro e com direitos, com uma justa retribuição e a valorização das profissões e das carreiras profissionais.
Travar a política de direita e o Governo do PSD-CDS é um desígnio nacional que exige uma forte mobilização dos trabalhadores em geral, e dos desempregados em particular, nas manifestações que a CGTP-IN realiza no dia 1º de Maio em todo o país, por mais e melhor emprego, salários e direitos; por uma política de esquerda e soberana, que promova o progresso e a justiça social.
DIF/CGTP-IN
Lisboa, 20.04.2015


«UNIDOS NA LUTA»